A Fera do Mar | Crítica do Filme | CinemAqui

A Fera do Mar | Como treinar seu monstro marinho?

Lembra daquela piada de que no futuro os contos de fadas iriam ouvir a versão do monstro ou da bruxa e todos descobrem que o vilão era bonzinho afinal de contas? Era engraçado. Porém, quando a piada vira realidade perde totalmente a graça, pois dá muito medo que as pessoas hoje em dia pensem realmente assim. A Fera do Mar é uma animação dessas, que bota medo não nos que estão na frente das câmeras, mas aos que manipulam nossos sentidos por detrás.

Ambientado em uma versão colonizadora genérica que na verdade todos sabemos que é o Império Britânico e com um pano de fundo que envolve uma criança que foge do orfanato e que se encontra com o herói dos livros que tanto gosta, esta animação possui o esmero de produções de segundo escalão. Você sabe: aquela equipe que não é tão boa nem tem tanto dinheiro quanto a Disney. Dessa forma é esperado que mesmo que os efeitos sejam vistosos, muito por causa dos enquadramentos e da música genérica de aventura, sob o escrutínio estético notamos que ele deixa a desejar, faltando aquele polimento final. O rosto dos personagens está uma década atrás do que foi possível fazer em digitação e os monstros são versões risíveis de paletas de cores com apenas um tom e movimentos que emulam o terror usando bichinhos de pelúcia (sem pelo) aumentados e com aquele urro potente. Em um dado momento você irá se lembrar de Como Treinar seu Dragão (versão marítima).

Os heróis não são piratas, apesar de serem. Essas reformas semânticas às vezes confundem. Aqui os marinheiros são chamados de caçadores pelo reino ao qual servem por gerações. Um capitão sem olho (voz de Jared Harris) e uma primeiro em comando sem perna (Marianne Jean-Baptiste) são incentivados a ter uma vida gloriosa nos sete mares para matar monstros marinhos mesmo que lhes custe a vida. A justificativa é uma frase de efeito: tenha uma vida ótima, e uma grande morte. A jovem que os acompanha, Maisie (Zaris-Angel Hator), é descendente de caçadores, mas como você já sabe, seus pais tiveram uma grande morte. O que deixa grandes órfãos!

A Fera do Mar | Como treinar seu monstro marinho?

Há uma pitada de diversidade preenchendo cotas, com dois gêneros e cores populando o navio caçador. Obras como A Fera do Mar, apesar de uma animação, tornam óbvio o problema da diversidade planejada após o roteiro. Com pouca criatividade, roteiristas não se importam em criar personagens diversos desde sua origem de vida, preferindo mantê-los como coringas onde o gênero e a cor podem ser definidos quase na pós-produção, já que suas personalidades são igualmente esquecíveis. Não é lá uma mensagem muito boa. E com certeza não torna o filme melhor.

A paisagem predominante desta aventura é o mar e as águas turbulentas que vemos estão digitalmente aceitáveis. Há um balanço bacana, um uso de escala competente. Nós entendemos até certo ponto a dinâmica da caça aos monstros, sua velocidade, sua esperteza e seu tamanho. A trilha sonora genérica de aventura até ajuda um pouco, mas mais graças aos enquadramentos, que pelo menos são escolhidos por alguém que não está totalmente no modo automático (Chris Williams, já envolvido em obras como Moana e Frozen). Essa é uma boa notícia. Há movimento. Crianças de alguns anos podem até assistir boa parte deste filme sem ficarem entediadas.

Infelizmente no terceiro ato a história se deixa ter uma pitada muito grande de revisionismo histórico sob os olhos de uma criança. Se até uma criança entende disso, quer dizer que é muito fácil de enganar plebeus. Quem diria que eles fossem tão tolos de se proteger de monstros marinhos enquanto tentam fazer comércio internacional. Pelo jeito eles ainda não tiveram contato com aquela velha piada de que no futuro nós teremos que ser tolerantes com monstros marinhos. Sempre é preciso enxergar o outro lado.

Ou não. De repente esta animação é uma paródia bem disfarçada e tudo o que os idealizadores quiseram foi fazer o espectador pensar que de vez em quando precisamos, sim, meter fogo nesses monstros ou deixá-los definhando seja lá de onde eles vierem.


“The Sea Beast” (EUA, 2022), escrito por Chris Williams, Nell Benjamin e Mattson Tomlin, dirigido por Chris Williams, com Karl Urban, Zaris-Angel Hator e Jared Harris.


Trailer do Filme – A Fera e o Mar

Você talvez goste desses conteúdos:

1 Comentário. Deixe novo

  • Que matéria horrível. Claramente escrita por baba ovo de grandes empresas com animações consolidadas, com dificuldade de ver boas obras (claro, que como todas, com pontos fracos), falando mal dos que tentam colocar novos filmes no mercado.
    Uma obra boa para crianças e adultos, com uma ótima diversidade sem ter que forçar nada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu